| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Imbu Brasil
Desde: 03/04/2001      Publicadas: 27      Atualização: 12/05/2012

Capa |  Artigos  |  Artigos publicados


 Artigos
  01/10/2005
  1 comentário(s)


Conservação da polpa do fruto do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) em temperatura ambiente
RESUMO



O objetivo deste trabalho foi produzir e testar a conservação da polpa do fruto do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) em temperatura ambiente para produção de doce em massa por pequenos agricultores, visando a possibilidade do aproveitamento deste fruto como alternativa alimentar e fonte de complementação da renda. O trabalho foi realizado com frutos de imbuzeiro dos tipos imbu inchado (estágio entre o imbu verde e o maduro) e imbu maduro (frutos após a maturação plena) colhidos após a queda em baixo das plantas. Os resultados obtidos evidenciaram que a polpa do fruto do imbuzeiro inchado e maduro armazenadas em temperatura ambiente, conservam suas características físico-química e microbiológicas podendo ser uma alternativa para o aproveitamento do fruto na entressafra.
Conservação da polpa do fruto do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) em temperatura ambiente
INTRODUÇÃO




O imbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.) é uma importante fruteira nativa da região semi-árida do Nordeste, cuja produção estimada em mais de 300 kg de frutos por planta/ano, torna-se a principal fonte de renda para maioria das famílias de pequenos agricultores que fazem seu extrativismo.



Do fruto pode-se obter diversos produtos, com destaque para o suco, o doce em massa, a imbuzada, o licor, o xarope, entre outros (CAVALCANTI et al., 2000).



No período da safra do imbuzeiro que ocorre, geralmente de dezembro a março, os agricultores colhem os frutos e os vende nas margens das rodovias, nos centros urbanos da região e para atravessadores que levam grande quantidade de frutos para as capitais do Nordeste, principalmente, Salvador onde é comercializada e consumida "in natura" mais de 90% da produção brasileira de imbu.



A sazonalidade e perecibilidade do fruto do imbuzeiro, que uma vez colhido, e em condições ambientais de preservação dura entre dois a três dias, leva a uma grande perda da safra devido à falta de uma infra-estrutura para o aproveitamento do mesmo (MAIA et al., 1998).



Para evitar perdas da produção de frutos, o pre-resfriamento que proporciona a remoção do calor da matéria-prima após a colheita, antes do transporte, armazenamento e processamento da produção é uma alternativa para redução dos desperdícios.



No caso do fruto do imbuzeiro cujo maior volume de produção é consumido "in natura" este procedimento para conservação pode ser aplicado para o aproveitamento do excedente da produção que se perde no campo, possibilitando o seu aproveitamento na entressafra.



Por outro lado, no meio rural nordestino não existe condições para que os pequenos agricultores que fazem o extrativismo do fruto do imbuzeiro possam utilizar as técnicas de conservação de resfriamento. Daí há necessidade de desenvolver-se e/ou adaptar-se alternativas que possam contribuir para o aproveitamento racional do fruto do imbuzeiro nas condições destes agricultores.



O objetivo deste trabalho foi produzir e testar a conservação da polpa do fruto do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) em temperatura ambiente para produção de doce em massa por pequenos agricultores, visando a possibilidade do aproveitamento deste fruto como alternativa alimentar e fonte de complementação da renda dos agricultores.



MATERIAL E MÉTODOS



O trabalho foi realizado em três etapas. 1) na primeira etapa que ocorreu nos meses de fevereiro e março, foram colhidos nas plantas os frutos de imbu inchado (estágio entre o imbu verde e o maduro) e os frutos maduros (frutos após a maturação plena) colhidos após a queda em baixo das plantas.



Na segunda etapa que ocorreu após a colheita, os frutos foram lavados em água potável de forma manual por imersão em recipiente plástico contendo solução de hipoclorito de sódio em concentração de 10 ppm, por 10 minutos, seguida de lavagem em água corrente. Após a lavagem os frutos foram submetidos a cozimento em água a 80° C por 3 minutos para retirada da polpa e em seguida foi escorrida a água e passados os frutos em peneira com tela de 1,0 mm para obtenção da polpa.



A polpa foi acondicionada em vidros com tampa de metal com capacidade para 500 ml. Depois do envasamento os vidros foram levados ao banho-maria a uma temperatura de 80°C por 20 segundos, seguido de resfriamento rápido em água corrente para inativa as reações químicas e ezimáticas que podem causar deterioração da polpa. Após o resfriamento os vidros com a polpa foram acondicionados em caixas de papelão fechadas e identificadas e estocados em sala com temperatura ambiente (28°C) por 30, 60, 90 e 180 dias.



Na terceira etapa foram realizadas as análises físico-química de composição das polpas (umidade, acidez, açúcares redutores não redutores, sólidos solúveis e pH em amostras das polpas no Departamento de Tecnologia de Alimentos da UFRRJ e microbiológicas (ocorrência de bolores e leveduras) no Instituto Adolfo Lutz.



Posteriormente, foi processado doce em massa com a polpa de cada tipo de fruto, utilizando-se 500 g de polpa para 250 g de açúcar. Os tratamentos consistiram em: 1) polpa de frutos inchados (estágio entre o imbu verde e o maduro) e; 2) polpa de frutos maduros (frutos depois da maturação plena).



Para avaliação da aceitação dos doces foi realizada análise sensorial com 56 provadores não-treinados, com o objetivo de se determinar qual tipo de doce que apresentaria as melhores características organolépticas (aparência, sabor e acidez), utilizando-se o método para análise sensorial proposto por MORAES (1985) com o uso de uma escala hedônica (1- desgostei muitíssimo, 2- desgostei muito, 3- desgostei regularmente, 4- desgostei ligeiramente, 5- indiferente, 6- gostei ligeiramente, 7- gostei regularmente, 8- gostei muito, 9- gostei muitíssimo).



RESULTADOS E DISCUSSÕES



As características físico-químicas e microbiológicas da polpa de frutos do imbuzeiro tipo inchado (estágio entre o imbu verde e o maduro) preservada em temperatura ambiente no período dos 30 aos 180 dias. Verifica-se que houve pouca variação entre os valores obtidos no dia da armazenagem e no final do período de avaliação.



O valor do teor de umidade da polpa aos 180 dias foi de 89,93%, próximo ao encontrado por BISPO (1989), FERREIRA (2000) e PINTO et al. (1999) para polpa do imbu inchado.



A acidez total da polpa de 1,42 aos 180 dias foi maior que os valores encontrados por PINTO et al. (1999) que foi de 1,3 para polpa do imbu inchado e abaixo dos valores obtidos por BISPO (1989) e FERREIRA (2000) que foram de 1,66 e 1,45, respectivamente.



A análise microbiológica da polpa apresentou valores de 102UFC/g no dia do processamento e uma pequena elevação a partir dos 60 dias com valores de 103 UFC/g, embora estes valores permaneçam dentro dos padrões estabelecidos (máximo de 103 ) e semelhantes ao encontrados por PINTO et al. (1999) que foi de 102UFC/g.



Quanto as características físico-químicas e microbiológicas da polpa de frutos do imbuzeiro tipo maduro (frutos depois da maturação plena ) preservado em temperatura ambiente no período dos 30 aos 180 dias, observou-se que há pouca variabilidade em função do período de armazenamento. Os valores obtidos para acidez e pH aos 180 dias que foram de 1,42 e 2,78, respectivamente, estão próximos dos obtidos por PINTO et al. (1999; 2000). Essa mesma tendência ocorreu para bolores e leveduras com uma pequena elevação aos 60 dias permanecendo constante até o final da avaliação.



Quanto a preferência dos provadores, em termos de aparência, sabor e acidez do doce processado com a polpa do imbu inchado armazenada aos 180 dias, 48,21 e 39,29% dos provadores indicaram o atributo "gostei muito" para aparência e o sabor, respectivamente. Em relação à acidez, 41,07% dos provadores indicaram o atributo "desgostei regularmente". Esses resultados são semelhantes aos obtidos por PINTO et al. (1999).



Na análise sensorial do doce processado com a polpa do imbu maduro aos 180 dias após o armazenamento, pode-se observar que 41,07 e 48,21% dos provadores indicaram o atributo "gostei muito" para aparência e o sabor, respectivamente. Para a acidez deste tipo de doce, 50% dos provadores indicaram o atributo "gostei muitíssimo". Esse atributo indicado para a acidez, deve-se principalmente, ao fato de que, a polpa obtida dos frutos do imbu maduro, apresenta um pH menor do que a polpa do imbu inchado. PINTO et al. (1999; 2000) também encontraram resultados semelhante na análise sensorial do doce processado com polpa de imbu maduro.




CONCLUSÕES



A polpa do fruto do imbuzeiro inchado e maduro armazenadas em temperatura ambiente, conservam suas características físico-química e microbiológicas podendo ser uma alternativa para o aproveitamento do fruto na entressafra.


O doce processado com a polpa dos frutos do imbuzeiro inchados e maduros armazenadas em temperatura ambiente preserva as características organolépticas dos frutos e podem ser uma fonte de renda alternativa para os agricultores que fazem o extrativismo desta espécie.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



BISPO, E. S. Estudo de produtos industrializáveis do umbu (Spondias tuberosa Arr. Câmera). Fortaleza, CE: UFC, 1989. 119p. (Dissertação de Mestrado).


CAVALCANTI, N. B.; RESENDE, G. M.; BRITO, L. T. L. Processamento do fruto do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.) Ciênc. agrotec., Lavras, v. 24, n. 1, p. 252-259, jan./mar., 2000.


FERREIRA, J. C. Efeitos do congelamento ultra-rápido sobre as características físico-químicas e sensoriais de polpa de umbu (Spondias tuberosa Arruda Câmera) durante a armazenagem frigorificada. Campina Grande, PB: UFPB, 2000. 112p. (Dissertação de Mestrado).


MAIA, G. A.; OLIVEIRA, G. S. F. de.; GUIMARÃES, A. C. L. Curso de especialização em tecnologia e processamento de secos e polpas tropicais: processamento industrial. Brasília " DF: ABEAS, 1998. V. 8. 60p.


MORAES, M. A. C. Métodos para avaliação sensorial dos alimentos. 5. ed. Campinas: UNICAMP, 1985. 89p.

PINTO, P. R.; BORGES, S. V.; CAVALCANTI, N. B. ANÁLISE Química e sensorial de doce em massa de umbu verde e maduro. In.: JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFRRJ, 9. Rio de Janeiro, 1999. Anais" UFRRJ. p. 424-425.


PINTO, P. R.; BORGES, S. V.; CAVALCANTI, N. B.; OLIVEIRA, V. M.; DELIZA, R. Efeito de variáveis do processamento de doce em massa de umbu verde e maduro sobre sua qualidade e aceitação. In.: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS, 17. Fortaleza, 2000. Fortaleza: SBCTA/UFC, 2000. V.1.



  Mais notícias da seção Artigos no caderno Artigos
12/05/2012 - Artigos - EFEITO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NO DESENVOLVIMENTO DA JUREMINHA (Desmanthus virgatus L. WILLD)
Foram testados diferentes substratos, com o objetivo de verificar os que proporcionam melhores condições para o desenvolvimento de mudas de jureminha (Desmanthus virgatus L. WILLD). O delineamento experimental utilizado foi em blocos ao acaso com cinco substratos (areia, solo, areia + solo, areia + esterco e areia + solo + esterco, sendo as combina...
22/07/2010 - Artigos - EFEITO DO ESCOAMENTO SUPERFICIAL E DA PERDA DE SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO NO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO
Os diferentes sistemas de cultivo utilizados pelos agricultores na região semi-árida do Nordeste apresentam reflexos diversos quanto aos valores de escoamento de água e perda do solo. Neste trabalho, objetivou-se avaliar o efeito do escoamento superficial e da perda de solo em três sistemas de cultivo. Os sistemas estudados foram: 1) Sulcos barrado...
26/06/2010 - Artigos - CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA EM CISTERNAS RURAIS
No semi-árido do Nordeste brasileiro, a cisterna tem sido uma das principais formas de armazenamento da água de chuva para o consumo, todavia, em função dos longos períodos de estiagem que ocorre na região, a água das cisternas não têm sido suficiente para atender as necessidades das famílias rurais. Este trabalho teve como objetivo determinar o co...
26/06/2010 - Artigos - EFEITO DO ESCOAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA EM DIFERENTES COBERTURAS
Os sistemas de captação de água de chuva utilizados pelos agricultores do Semi-Árido brasileiro apresentam diferentes valores do coeficiente de escoamento superficial, o que pode ser responsável pela perda de volume de água significativo, devido à irregularidade das áreas de captação; portanto, são necessários estudos para que possam indicar os mel...
26/06/2010 - Artigos - CRESCIMENTO DE PLANTAS DE IMBUZEIRO (Spondias tuberosa Arruda) NA CAATINGA
O objetivo deste estudo foi determinar o crescimento do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) em condições de sequeiro na caatinga nativa até os 10 anos. O estudo foi realizado no período de janeiro de 1997 a dezembro de 2007 em uma área de caatinga nativa na Estação Experimental da Embrapa Semiárido no município de Petrolina, PE. A altura média das...
28/10/2005 - Artigos - O consumo da Favela (Cnidoscolus phyllacanthus) pelos animais na caatinga no período de seca
ResumoA favela (Cnidoscolus phyllacanthus (Muell. Arg.) Pax. Et K. Hoffman) é uma forrageira nativa das caatingas do Nordeste com sua distribuição geográfica nos estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia, muito consumida pelos animais, principalmente no período de seca. Os animais consomem as folh...
27/10/2005 - Artigos - Consumo de frutos do imbuzeiro por caprinos
RESUMO As caatingas podem ser caracterizadas como florestas arbóreas ou arbustivas, compreendendo principalmente árvores e arbustos baixos muitos dos quais apresentam espinhos, microfilia e algumas características xerofíticas. Contudo, algumas plantas nativas da região como a quixabeira, o juazeiro, a faveleira, a jurema, o licuri, a macam...
27/10/2005 - Artigos - Consumo de xique-xique (Pilocereus gounellei K. Schum) por caprinos na caatinga
Resumo O xique-xique (Pilocereus gounellei K. Schum) é uma Cactaceae utilizada, pelos agricultores, como uma alternativa para alimentação dos animais em períodos de longa estiagem nas caatingas do Nordeste brasileiro. Esta planta é a última alternativa dos agricultores para salvar seus animais, devido a grande dificuldade de sua utilização...
27/10/2005 - Artigos - Doce de xilopódio de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda)
Resumo Este trabalho teve como objetivo produzir e testar à aceitação de doce em massa com a utilização de xilopódio de mudas de imbuzeiro, obtidos de plantas aos 180 dias de crescimento visando a possibilidade do seu aproveitamento como alternativa alimentar e fonte de complementação da renda dos pequenos agricultores da região semi-árida do No...
01/10/2005 - Artigos - Geléia de imbu
ResumoA geléia do fruto do imbuzeiro é um concentrado composto de 1000 ml de água do cozimento dos frutos e 500 g de açúcar submetidos ao fogo, até que o conteúdo de sólidos solúveis alcance valores entre 65 a 70%. Esta concentração pode ser obtida após 45 minutos de cozimento. A geléia pode ser obtida de frutos inteiros ou em pedaços, da polpa ou...
27/10/2005 - Artigos - Danos causados a floração do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) pelo cascudo (Philoclaenia sp.)
ResumoNa primeira quinzena de agosto a setembro, quando ocorrem as primeiras chuvas de verão, modificam-se a temperatura e a umidade relativa do ar, acelerando o metabolismo das plantas de imbuzeiro com o aparecimento dos primeiros brotos, flores e folhas. É neste período que ocorre o ataque de pragas, causando a queda das flores, das folhas novas ...
27/10/2005 - Artigos - Ocorrência e utilização do facheiro (Pilosocereus pachycladus Ritter.) nas caatingas de Pernambuco, Bahia e Paraíba
Resumo O facheiro (Pilosocereus pachycladus Ritter.) é uma Cactaceae utilizada, pelos agricultores, como uma alternativa para alimentação dos animais. Este trabalho teve como objetivo verificar a ocorrência do facheiro e sua utilização pelos agricultores das comunidades de Flamengo (Jaguarari - BA), Alto do Angico (Petrolina - PE) e Meio do...
28/10/2005 - Artigos - Tempo de superação da dormência de sementes de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda)
RESUMO Este trabalho teve como objetivo estudar a influência do período de armazenamento das sementes de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) no percentual de germinação e no índice de velocidade de germinação. O trabalho foi realizado no período de janeiro a dezembro de 2004 em uma área sob telado, com 50% de sombreamento, em temperatura am...
27/10/2005 - Artigos - Escassez e desperdício de água de chuva em comunidades do semi-árido do Nordeste
RESUMONo semi-árido do Nordeste brasileiro, a água é o principal obstáculo para a sobrevivência dos agricultores e animais. A vulnerabilidade a que estão expostas as populações rurais, em decorrência da instabilidade climática é dramatizada pelos períodos de seca que ocorrem, em média, a cada cinco anos. Este trabalho teve como objetivo fazer um l...
27/10/2005 - Artigos - Regeneração natural e dispersão de sementes do imbuzeiro (spondias tuberosa arruda) no sertão de Pernambuco
RESUMO O imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) é uma fruteira nativa do Nordeste, cujos frutos servem de alimento para as populações rurais, animais domésticos e silvestres. Contudo, tem-se observado à ausência de plantas jovens em seu ambiente natural, cuja causa tem sido atribuída em sua maioria à dificuldade que as sementes do imbuzeiro ...
28/10/2005 - Artigos - Utilização do mandacaru (Cereus jamacaru P. DC.) pelos pequenos agricultores na alimentação de caprinos no Nordeste semi-árido
RESUMO Para avaliar o consumo de mandacaru por caprinos no período de seca na caatinga, foram selecionados ao acaso 12 animais na comunidade de Alto do Angico, Petrolina, PE, no período de agosto a novembro de 2003. Foi determinada a fitomassa do mandacaru (Cereus jamacaru P. DC.) e a porção consumida pelos animais no período de suplemen...
27/10/2005 - Artigos - Danos causados as plantas jovens do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) pelo Tatu-peba (Euphractus sexcintus)
RESUMO Nas caatingas do Nordeste, o imbuzeiro é uma planta de grande importância para fauna e flora da região. Os frutos do imbuzeiro são colhidos pelos pequenos agricultores que os vendem para consumo in natura e/ou para o processamento de doces e geléias. No período da safra do imbuzeiro, a colheita de frutos é a principal fonte de renda e d...
27/10/2005 - Artigos - Riscos de extinção do imbuzeiro (spondias tuberosa arruda) no semi-árido do Nordeste
RESUMO O trabalho foi realizado no período de novembro de 2000 a junho de 2003 como o objetivo de verificar a ocorrência Amblycerus díspar em sementes e a existência de plantas jovens em de imbuzeiro em seu ambiente natural, na Estação Experimental da Caatinga, EMBRAPA Semi-Árido, Petrolina - PE. Em cada estado, foram selecionadas ao...
27/10/2005 - Artigos - Mamãozinho-de-veado, alimento para os animais na seca
Resumo O mamãozinho-de-veado (Jacaratia corumbensis O. kuntze) é um pequeno arbusto que têm como raiz principal, um grande xilopódio que serve para alimentar os animais na seca. Este trabalho teve como o objetivo de verificar o nível de utilização do mamãozinho-de-veado pelos agricultores no período de seca em comunidades da região semi-ár...



Capa |  Artigos  |  Artigos publicados
Busca em

  
27 Notícias