| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Imbu Brasil
Desde: 03/04/2001      Publicadas: 27      Atualização: 12/05/2012

Capa |  Artigos  |  Artigos publicados


 Artigos publicados

  01/10/2005
  0 comentário(s)


A colheita de frutos do imbuzeiro na região semi-árida do Nordeste

RESUMO





A agricultura familiar da região semi-árida do Nordeste brasileiro tem sua sustentabilidade na exploração de culturas de subsistência (milho, feijão e mandioca) e, principalmente na criação extensiva de caprinos e ovinos. Os pequenos agricultores desta região convivem com uma situação bastante peculiar quanto às fontes de renda, das quais dependem para sua sobrevivência, pois, seus sistemas de produção são constituídos basicamente pela agricultura de subsistência e pela pecuária extensiva. Por outro lado, há outras fontes de renda e de absorção de mão-de-obra, bastante significativas, como o extrativismo vegetal, de modo especial, o fruto do imbuzeiro. Essa atividade assegurar em maior parte a subsistência dos pequenos agricultores, cujo processo produtivo baseia-se, principalmente, na agricultura de subsistência. O objetivo de trabalho foi estudar a participação do extrativismo do fruto do imbuzeiro na absorção de mão-de-obra e geração de renda dos pequenos agricultores de 5 comunidades localizadas na região semi-árida do estado da Bahia.





Palavras-chave: Semi-árido, frutos, imbu, renda.

A colheita de frutos do imbuzeiro na região semi-árida do Nordeste
INTRODUÇÃO





A agricultura familiar da região semi-árida do Nordeste brasileiro tem sua sustentabilidade na exploração de culturas de subsistência (milho, feijão e mandioca) e, principalmente na criação extensiva de caprinos e ovinos. Os pequenos agricultores desta região convivem com uma situação bastante peculiar quanto às fontes de renda, das quais dependem para sua sobrevivência, pois, seus sistemas de produção são constituídos basicamente pela agricultura de subsistência e pela pecuária extensiva. Por outro lado, há outras fontes de renda e de absorção de mão-de-obra, bastante significativas, como o extrativismo vegetal, de modo especial, o fruto do imbuzeiro. Essa atividade assegurar em maior parte a subsistência dos pequenos agricultores, cujo processo produtivo baseia-se, principalmente, na agricultura de subsistência.


Segundo Figueira (1999) os negócios com o umbu na região semi-árida do Nordeste, que vai da colheita, comercialização, processamento de doces e polpas, chegam a rende cerca de US$ 6 milhões ao ano para economia regional. Duque (1980) mostra em seu trabalho que as plantas xerófilas que proporcionam o extrativismo vegetal na região semi-árida, tem contribuído substancialmente no aumento da renda e na absorção de mão-de-obra dos pequenos agricultores, principalmente nos períodos de seca. Silva et. al. (1987) afirmam que as altas produções alcançadas pelo imbuzeiro constituem-se numa fonte de renda e de absorção de mão-de-obra para muitas famílias rurais, que na época da safra, realizam a colheita dos frutos e os vendem para consumo in natura ou na forma de doces.


O imbuzeiro tem grande importância socioeconômica para as populações rurais da região semi-árida do Nordeste, no fornecimento de frutos saborosos, nutritivos e túberas, radicular doce e ricas em água (Mendes, 1990). O extrativismo do fruto do imbuzeiro é praticado nos Estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia e na parte semi-árida de Minas Gerais, sendo o Estado da Bahia o maior produtor com uma média 10.000 toneladas colhidas por ano.


Santos (1997) afirma que o imbuzeiro encontra-se distribuído em 17 regiões ecogeográficas do Nordeste. O objetivo de trabalho foi estudar a participação do extrativismo do fruto do imbuzeiro na absorção de mão-de-obra e geração de renda dos pequenos agricultores de 5 comunidades localizadas na região semi-árida do estado da Bahia.








MATERIAL E MÉTODOS





O trabalho foi realizado em 5 comunidades de pequenos agricultores localizada na região semi-árida do estado da Bahia, cuja tradição é o extrativismo vegetal do fruto do imbuzeiro. A investigação ocorreu em duas etapas. A primeira ocorreu nos meses de outubro e novembro de 2001, quando foram realizadas visitas as comunidades para o levantamento das famílias que tinham pessoas envolvidas no extrativismo do fruto do imbuzeiro.


A segunda etapa do trabalho aconteceu durante a safra do imbuzeiro nos meses de janeiro a março de 2002, quando foi realizado um acompanhamento junto aos agricultores de cada comunidade que participaram da colheita do imbu.


As variáveis observadas foram as seguintes: a) número de pessoas que participaram da colheita do imbu nas comunidades; b) tempo dedicado por cada pessoa à colheita; c) quantidade de frutos colhidos por dia/período por pessoa e; d) renda obtida por cada pessoa com a venda dos frutos.


As informações obtidas foram submetidas à análise estatística, utilizando-se o SAS (SAS, 1990).





RESULTADOS E DISCUSSÕES





A safra do imbuzeiro em 2002 teve início no final do mês de dezembro de 2001. No entanto, só a partir da segunda quinzena de janeiro começou à venda do imbu nas comunidades, devido aos danos provocados nas estradas pelas chuvas que ocorreram no final de dezembro de 2001. As chuvas também provocaram a queda de muitos frutos, reduzindo significativamente a produção neste ano.


Nas comunidades onde foi realizado o acompanhamento da safra do imbuzeiro em 2002, observou-se que esta atividade teve uma contribuição significativa na absorção de mão-de-obra e na geração de renda para os pequenos agricultores, pois, embora tenha ocorrido muita chuva, o excesso de umidade no solo, dificultou o trabalho de preparação dos campos para o plantio das lavouras tradicionais.





Um total de 293 agricultores participaram da colheita em 2002 nas 5 comunidades, com uma média de 58 agricultores envolvidos nesta atividade por comunidade.


Na comunidade de Fazendinha, 58 agricultores colheram imbu em 2002 num período médio de 69 dias de colheita. Essa atividade proporcionou uma renda média de R$ 396,03 para cada agricultor, seguidos pelos agricultores da comunidade de Favela, cuja renda média foi de R$ 350,14 equivalentes a 1,95 salários mínimos vigentes na época .


No entanto, a comunidade onde o maior número de agricultores participaram da colheita do fruto do imbuzeiro na safra de 2002 foi a de Barracão com 87 pessoas.


Esses resultados obtidos com a venda do imbu pelos pequenos agricultores na safra de 2002, são semelhantes aos encontrados por Cavalcanti et. al. (2000) em outras comunidades da região.





CONCLUSÕES





Os recursos provenientes do extrativismo do fruto do imbuzeiro têm uma participação bastante significativa na composição da renda familiar dos pequenos agricultores das comunidades analisadas, principalmente, como renda disponível no período de entressafra.


O extrativismo vegetal do fruto do imbuzeiro é responsável pela maior absorção de mão-de-obra e geração de renda para maioria das famílias, durante todo o período da safra.


Aproximadamente, 50% das pessoas das comunidades estão envolvidas nessa atividade, o que demonstra a importância do imbuzeiro para região semi-árida do Nordeste.





REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS





CAVALCANTI, N. B.; RESENDE, G. M. ; BRITO, L. T. L. Fruto do imbuzeiro: alternativa de renda em períodos de seca para pequenos agricultores na região semi-árida do estado da Bahia. In: CONGRESSO MUNDIAL DE SOCIOLOGIA RURAL, 10.; CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 38, 2000, Rio de Janeiro. Anais... Campinas: UNICAMP/Auburn: IRSA/Brasília: SOBER, 2000. CD-ROM.





DUQUE, J. G. O imbuzeiro. In: O Nordeste e as lavouras xerófilas. Mossoró: Fundação Guimarães Duque, 1980. p. 316-238.





FIGUEIRA, I. Umbu, uma alternativa para caatinga. IBGE. Anuário Estatístico do Brasil, Rio de Janeiro, v. 53, p. 41, 1993.





MENDES, B. V. Umbuzeiro (Spondias tuberosa Arr. Cam.): importante fruteira do semi-árido. Mossoró: ESAM, 1990. 66p. il. (ESAM. Coleção Mossoroense, Série C. v.554).





SANTOS, C. A. F. Dispersão da variabilidade fenotípica do umbuzeiro no semi-árido brasileiro. Pesq. Agropec. Bras., Brasília, v.32, n.9, p. 923-930,set. 1997.





SAS INSTITUTE INC. SAS guide to macro processing: version 6.2. ed. Cary: NC, 1990. v.1, 319p.





SILVA, C. M. S. S.; PIRES, I.; SILVA, H. D. Caracterização dos frutos de umbuzeiro. Petrolina, PE:EMBRAPA-CPATSA, 1987. 17 p. (EMBRAPA-CPATSA. Boletim de Pesquisa, 34).









































































  Mais notícias da seção Artigos no caderno Artigos publicados
27/10/2005 - Artigos - Alimentação dos animais na seca
Resumo Na região semi-árida do Nordeste as irregularidades das chuvas têm contribuído para que os sistemas de exploração dos pequenos agricultores não alcancem resultados satisfatórios com implicações severas para as condições de renda e, conseqüentemente, de vida, desses agricultores. O rebanho de caprinos, predominante na região, vive em ...
27/10/2005 - Artigos - A frutificação do imbuzeiro na região semi-árida de Pernambuco
RESUMO O imbuzeiro é uma fruteira nativa das caatingas nordestinas de grande importância para as populações rurais e animais silvestres da região. Contudo, sua frutificação ocorre no período de julho a dezembro, normalmente de seca. Neste período o imbuzeiro perde as folhas, entra em dormência vegetativa, inicia a brotação, a floração e no final...
28/10/2005 - Artigos - Uso da túbera do imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) para o consumo humano
RESUMO Este trabalho teve como objetivo produzir e testar à aceitação de três formas de picles do xilopódio do imbuzeiro, obtidos de plantas aos 120 dias de crescimento visando à possibilidade do seu aproveitamento como alternativa alimentar e fonte de complementação da renda dos pequenos agricultores da região semi-árida do Nordeste. O trabalho f...
27/10/2005 - Artigos - Consumo de folhas de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) por caprinos no semi-árido de Pernambuco
RESUMO Para avaliar o consumo de folhas do imbuzeiro por caprinos e ovinos, foram selecionadas 25 plantas em uma área submetida a pastejo contínuo. Foi determinada a área foliar total e a porção consumida pelos animais no período de outubro a julho de 1999 a 2000. Nas folhas verdes, o percentual de matéria seca (MS) foi de 16,13% e 18,07% de ...
27/10/2005 - Artigos - Crescimento e sobrevivência de plantas de imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) na caatinga
RESUMOO imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) é uma planta adaptada as condições da região semi-árida do Nordeste, de grande importância socioeconômica. É uma espécie frutífera pouco cultivada, porém com grande potencial para produção em escala comercial. Seu fruto é consumido, na maior parte, in natura e transformado em polpa, doces, geléias, etc. ...
27/10/2005 - Artigos - Emergência e sobrevivência de plântulas de imbuzeiro ( Spondias tuberosa ARRUDA) na caatinga
RESUMOA região semi-árida do Nordeste tem como característica principal, a escassez de recursos naturais, com destaque para a água. Contudo, algumas plantas, entre estas, o imbuzeiro (Spondias tuberosa Arruda) conseguem sobreviver e produzir, mesmo nas mas adversas áreas da região. Os frutos e sementes do imbuzeiro são fontes de alimento para os h...



Capa |  Artigos  |  Artigos publicados
Busca em

  
27 Notícias